Skip to main content

Desenvolver software livre é legal pra caramba!

Nos últimos meses venho trabalhando como colaborador de um projeto muito legal, chamado Timtec. Trata-se de um Mooc concebido e desenvolvido pelo Instituto Tim, sendo software livre desde o seu começo. Conheça o projeto, segundo o próprio site:

A plataforma de cursos online TIM Tec é um software livre desenvolvido pelo Instituto TIM que utiliza o conceito de MOOC (Massive Open Online Courses), cursos abertos e livres que podem ser feitos simultaneamente por muitas pessoas.

O sistema pode hospedar múltiplos cursos que utilizam videoaulas, além de materiais de apoio e outros links. A ferramenta permite a criação de testes e o uso de emuladores desenvolvidos para que alunos exercitem os conhecimentos abordados. Alunos podem fazer e responder perguntas, ver respostas e favoritar as perguntas dos colegas em um fórum, além de fazer anotações em seu caderno virtual. Gestores podem gerar relatórios de acompanhamento dos cursos, turmas e alunos, acompanhar o progresso de cada participante e habilitar professores tutores quando necessário.

O Timtec começou a ser desenvolvido pelo pessoal do hacklab (desenvolvedores do Catraca Livre), há coisa de uns 2 anos atrás. Eu entrei um bom tempo depois na história, e aconteceu mais ou menos assim: Em meados de julho conheci o Felipe Cabral, responsável pelos projetos de tecnologia da La Fabbrica do Brasil, a agência responsável pelas ações de tecnologia e comunicação do Instituto Tim, que é o braço social da Tim. O Felipe estava procurando alguém para continuidade nas novas funcionalidades e correções de bug do Timtec. Acabamos fechando uma parceria. Neste momento fui apresentado, de fato, a um ecossistema de software livre funcionando praticamente em sua totalidade. E fiquei impressionado como é vantajoso!

Meu passado desenvolvendo software livre

Eu já tinha trabalhado antes com desenvolvendo software livre na Bireme. Sempre houve a cultura do software livre por lá. Também, lá foi o meu primeiro emprego na área, então já me inseri no mercado entendendo muito bem como essa cultura funcionava. Participei de vários projetos por lá, que inclusive estão listados no github da empresa. Vários ainda estão em produção, e em uso constante, como por exemplo, o iahx-opac, feito em PHP.

O problema é que, por lá, nunca se conseguiu, de fato, atingir uma maturidade de comunidade em torno dos softwares desenvolvidos. Não por falta de engajamento e trabalho de nossa equipe e da gestão, muito pelo contrário. O Renato Murasaki, nosso gerente de projetos (de longe o melhor com quem já trabalhei), sempre brigou com unhas e dentes pela cultura do software livre e sempre idealizou como seria proveitoso termos uma comunidade ativa colaborando com os projetos que eram desenvolvidos em prol de uma rede. Não sei se tenho uma resposta pra isso, e até mesmo posso estar sendo negligente e esquecendo de algum ponto da história, mas, a realidade é que não me lembro de uma colaboração que tenha sido substancial para os projetos em que participei. Inclusive, até hoje a Bireme tenta até hoje fomentar uma comunidade em torno dos softwares desenvolvidos por meio da iniciativa RedDes. É um grande desafio devido a escassez de mão-de-obra e de investimento por parte dos países envolvidos.

Entendendo e usufruindo de fato, os benefícios do software livre

Com o Timtec, a história foi diferente. Quando comecei a codar para o projeto, vi de fato as maravilhas do software livre em sua plenitude. Pelo o que pude entender, existem, pelo menos, quatro empresas utilizando o projeto como ferramenta principal para seu core-business, e colaborando ativamente para o projeto, como um todo.

Cada uma dessas empresas possuem suas próprias funcionalidades, que são desenvolvidas por seu time. O legal do software livre é que, se uma equipe desenvolve algo novo, com um pouquinho de esforço para integração, as outras podem usufruir dessas novas funcionalidades. Na prática isso significa mais código em menos tempo, com menos dinheiro. É um exemplo real e concreto do famoso ganha-ganha!

Outro ponto importantíssimo é que desenvolver software livre nos trás é o network. Está sendo muito legal conhecer e poder trabalhar junto com o pessoal do Hacklab e com o pessoal da La Fabbrica. Eu arrisco a dizer que aprendi mais nos meus últimos três meses do que no último ano inteiro. A minha evolução técnica tem sido muito grande.

Minhas colaborações com o software livre

Já sou um heavy user de software livre há pelo menos 7 anos. Porém, nunca contribui de fato para esses projetos grandes, como Ubuntu, Libre Office, Python ou Django. A minha ausência quanto a essa omissão se dá, basicamente, porque sempre imaginei que os core desenvolvedores desses projetos são altamente capacitados, e não me sinto no nível dos caras. Isso é uma puta besteira. Qualquer um pode colaborar com documentação, por exemplo. E, hoje, enxergando isso, vejo que é, no mínimo, um dever moral meu contribuir para softwares, e é o que estou fazendo.

Atualmente continuo codando para o Timtec, através de uma parceria com a La Fabbrica. Também, com a Bireme, no papel de consultor, sou desenvolvedor no projeto Proethos2, que se trata de um sistema para controle de revisão ética de investigação com seres humanos. Em outro projeto, ainda não lançado, baseio toda uma solução de pagamento com PagSeguro através da API python-pagseguro, desenvolvida pelo Bruno Rocha, conhecidíssimo na comunidade Python. Caso eu tenha alguma necessidade específica ainda não contemplada, também farei contribuições.

Cogito também, ainda esse ano, lançar o django-seguro. Este projeto ainda está embrionário, porém. Trata-se de uma nova implementação do python-pagseguro em django. Acabei começando este projeto pois não encontrei nada atual que satisfizesse minhas necessidades, portanto, comecei o meu próprio! E sei que, com certeza, tem gente precisando disso. Liberando o projeto, “corro o risco” de receber contribuições para o projeto que adiantem meu lado e me faça economizar tempo e dinheiro.

Contribua você também para o software livre

Essa é a minha mensagem final: Contribua você também para o Software Livre! A partir do momento que você entende que utilizar e fomentar a comunidade de software livre está relacionado a fazer mais, com menos, a sua visão muda completamente. Invista seus esforços no core de seu negócio, e tudo o que não faça parte disso, utilize soluções de software livre e colabore com a comunidade. Dez cabeças pensam melhor que uma. Imagina mais de 1.300 cabeças juntas?

Abraços

Referências

  • Fabrício

    Parabéns,
    a comunidade SL agradece seu empenho, esperamos que a cada dia tenhamos
    novos usuários, para que conheçam e desfrutem de um sistema simples e
    seguro.

    analistati.com

    • Moacir

      Valeu Fábricio! Abração!!!